Info! Please note that this translation has been provided at best effort, for your convenience. The English page remains the official version.

AFRINIC-19 Ata da Reunião do PDWG

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Onde:

Abidjan, Costa do Marfim

Presidente:

  • Seun Ojedeji (Universidade Federal de Oye-Ekiti / Nigéria)

Escriba:

  • Ernest Byaruhanga (AFRINIC / Uganda)

 

Agenda da Sessão

Sessão 1: 29 de novembro de 2013
1430 – 1600
 
1.1 O processo de desenvolvimento de políticas Seun Ojedeji
1.2 Status das propostas de política e políticas em discussão Seun Ojedeji
1.3 Resumo de propostas em outras regiões Ernest Byaruhanga
1.4 Proposta AFPUB-2013-GEN-001: Acadêmico IPv4 Alocação Sunday Folayan
Sessão 2: 29 de novembro de 2013
1230 – 1330
 
2.1 Proposta de "Manual de Política de Recursos" Ernest Byaruhanga
2.2 Microfone aberto de política Seun Ojedeji

 

Sessão 1: 29th Novembro de 2013, 1430-1600

    1. O processo de desenvolvimento de políticas

Seun Ojedeji, copresidente do PDWG, deu as boas-vindas aos participantes da reunião de política pública AFRINIC18, analisou a agenda detalhada das sessões de políticas e apresentou o PDP da região AFRINIC. Ele também observou que Emile Milandou (o outro copresidente) não compareceu a Abidjan devido a circunstâncias além de seu controle.

Ele mencionou que qualquer pessoa pode enviar uma proposta, publicá-la na lista 'rpd' para discussões com duração não inferior a 4 semanas antes de ser apresentada em uma reunião presencial onde, se houver consenso, os copresidentes do PDWG encaminharão proposta para um período de revisão de última chamada com duração não inferior a 2 semanas. Se não houver consenso, a proposta volta para a lista de discussão, onde o (s) autor (es) podem talvez trabalhar em versões revisadas das propostas com base no feedback recebido ou retirá-la totalmente. A proposta, após um último período de convocação bem-sucedido, é enviada à diretoria para ratificação e à AFRINIC para implementação.

Seun afirmou que qualquer pessoa pode se inscrever na discussão da política de recursos (Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.) lista de e-mails e participa de discussões sobre políticas, independentemente de sua localização ou afiliação.

    1. Status das propostas de política e políticas em discussão

Seun Ojedeji atualizou a reunião sobre as propostas que haviam sido discutidas desde o AFRINIC18 e seus respectivos status. Ele observou que as seguintes propostas foram aprovadas na última convocação e, desde então, ratificadas pelo Conselho de Administração da AFRINIC:

  • AFPUB-2013-V6-001: Remover a exigência de anunciar o bloco v6 inteiro

  • AFPUB-2012-V4-001: Atribuições Anycast na região AFRINIC

  • AFPUB-2012-DNS-001: Sem reverso a menos que atribuído

Seun indicou que a data de implementação destas propostas de políticas pela AFRINIC deve ser por volta do final de janeiro de 2014 de acordo com as diretrizes do Processo de Desenvolvimento de Políticas. Ele também afirmou que a única proposta de política a ser discutida durante esta reunião será AFPUB-2013-GEN-001 (Acadêmico IPv4 Allocation) e aguardou discussões saudáveis ​​quando apresentado por seu (s) autor (es).

 

    1. Resumo de propostas em outras regiões

Ernest Byaruhanga falou sobre as propostas de políticas que foram recentemente aprovadas, e propostas que estão ativamente em discussão nas respectivas comunidades das outras RIR regiões.

    1. Proposta AFPUB-2013-GEN-001: Acadêmico IPv4 Alocação

Sunday Folayan, um dos autores da proposta, apresentou-a na reunião. O seguinte feedback foi recebido:

  • Falando como Presidente do Conselho da AFRINIC, Badru Ntege observou que existem regras nas políticas atuais que atendem aos requisitos para a maioria das IESs solicitar e adquirir IPv4 endereços sem ter que codificar as taxas que estão sendo propostas.

  • Também foi observado que, embora AFRINIC aparentemente tenha muitos IPv4 endereços em seu inventário, esta proposta parece sugerir um método muito ruim e impensado para se livrar desses endereços.

  • Alguns notaram que, uma vez que os alunos são o futuro da nossa comunidade, precisamos considerar numerar as IES com IPv6 em vez de IPv4, para que os alunos possam pensar e trabalhar com uma tecnologia mais sustentável, em vez da velha e moribunda (IPv4).

  • Foi feito um comentário sobre quais questões exatas esta proposta está tentando abordar em relação às práticas atuais com as quais as solicitações das IES são avaliadas.

  • Alguns membros perguntaram sobre o impacto para o IPv4 abordar a taxa de consumo quando esta proposta for implementada, visto que muitas universidades do continente ainda não possuem infraestrutura para dar suporte a funcionários e alunos, e por isso, talvez não consumam tanto assim mesmo que a proposta seja aprovada.

 

O autor reiterou que acha que as IES são especiais, pois são responsáveis ​​pela formação da geração futura e, por isso, precisam de cuidados e atenção especiais. Mencionou que os IXPs são considerados infraestruturas críticas e obtêm recursos sem custos, podendo o mesmo ser aplicado nas IES. Afirmou que a importância das IES já foi reconhecida pela AFRINIC por já usufruírem de 50% de desconto no valor das inscrições.

 

Ele afirmou ainda que muitas das grandes iniciativas que agora se tornaram grandes empresas, como o Facebook e o Google, são projetos derivados de alunos, e que o investimento em IES não é um desperdício.

 

Sobre o impacto para o IPv4 consumo de endereços após a implementação da proposta, o autor afirma que a determinação do uso e do consumo é subjetiva, pois há instituições que ainda não solicitaram recursos, o que não significa necessariamente que não necessitem de endereços IP.

 

Um membro afirmou que na China conhece uma Universidade com 40,000 alunos, mas com cerca de 5000 endereços IP, e que os endereços são adequados para a Universidade. Outro membro indicou que ela solicitou IPv4 discursou recentemente para sua universidade, e que ela estava muito feliz com a forma como a AFRINIC recebeu e avaliou sua solicitação, e ela não sente que houve qualquer problema no processo atual que precise ser alterado. Ela afirmou que o processo é simples e a resposta rápida. Ela passou a afirmar que, em sua experiência, qualquer IES que deseja IPv4 os endereços irão obtê-los, e ela não está convencida de que esta proposta está resolvendo qualquer problema, pois na verdade não há nenhum e que, se houver, pode criar problemas.

 

Alguns membros sugeriram que, a partir das discussões online, há a percepção de que é difícil para as IES obter recursos da AFRINIC, onde talvez a AFRINIC esteja solicitando muitos detalhes e parece não entender completamente os planos de rede fornecidos pela IES. Foi sugerido que esses são problemas que podem ser resolvidos internamente por meio de treinamento de pessoal ou mudanças de processo, ao invés de uma mudança no atual IPv4 .

 

Também surgiram preocupações sobre a possibilidade de as IES adquirirem IPv4 uma vez ratificado o espaço de endereçamento sob esta política e troque esses endereços fora da região por enormes ganhos monetários.

 

Alguns membros se opuseram explicitamente à necessidade de codificar a população de IES para IPv4 lidar com as taxas, pois isso leva ao desperdício, e disse que a região não está pronta para tal proposta. Em reação, o presidente solicitou à AFRINIC que fornecesse estatísticas aproximadas sobre o impacto do consumo, caso esta proposta fosse aprovada.

 

Um membro observou que a proposta parece não ter o apoio da comunidade de instituições acadêmicas e pediu aos presentes e interessados ​​que se apresentassem e defendessem / apoiassem a proposta

 

Em reação, o autor ainda fez as seguintes observações:

  • A proposta foi co-autora de duas pessoas, sendo uma delas Andrew Alston, que trabalhava para a Ubuntunet Alliance, que representa várias instituições de ensino. A proposta foi muito bem apoiada por instituições acadêmicas durante a reunião AFRINIC18 em Lusaka, Zâmbia.

  • A ideia de 1 IP por dispositivo por pessoa não se sustenta e o autor desafiou a equipe de TI encarregada da rede na reunião a fazer uma contagem de quantas pessoas estão realmente participando dessa reunião em comparação com as usadas IPv4 endereços para confirmar sua proporção sugerida.

  • Se a comunidade não se sentir confortável com as proporções, o draft pode indicar quanto uma IES pode adquirir sem justificativa.

 

A equipe da AFRINIC RS esclareceu que o processo de avaliação analisa os planos de endereçamento IP adequados, considerando as necessidades imediatas e para os próximos 12 meses de acordo com a política, e se há infraestrutura para suportar o número de IPv4 endereços necessários. Sobre a rapidez com que IPv4 O pool de recursos seria esgotado se a proposta fosse aprovada, foi determinado que aproximadamente 2.5 / 8s seriam consumidos imediatamente como resultado da aprovação desta proposta.

 

Outro membro afirmou que sua IES solicitou um / 18 e foi concedido, e na evolução, quando as necessidades aumentaram, voltou à AFRINIC para pedir mais, e foi concedido. Ele afirmou que, em sua experiência, parece não haver nenhum problema de política para as IES, portanto, não há necessidade dessa proposta no momento.

 

Depois de analisar as discussões da reunião, o Presidente determinou que não houve consenso sobre a proposta, e que a mesma retorna à lista de discussão para posterior discussão.

 


 

Sessão 2: 29th Novembro de 2013, 1230-1330

 

O presidente iniciou a sessão um pouco antes do planejado e pediu desculpas por isso. Ele mencionou que isso foi devido a alguma reorganização da agenda pela equipe da reunião.

    1. Proposta de “Manual de Política de Recursos”

Ernest Byaruhanga afirmou que o Manual de Política de Recursos é um documento único proposto que conterá todas as informações atuais da política de recursos de números da Internet. Ele afirmou que já existe um draft que foi produzido pela equipe AFRINIC, e que este trabalho é semelhante ao “NRPM” (Manual de Política de Recursos de Números) da ARIN, e não muda de forma alguma as políticas atuais, mas sim as combina em uma fonte fácil de ler.

Os seguintes marcos para implementar o Manual de Política de Recursos foram propostos:

  1. Apresentação para a comunidade (final de novembro de 2013)

  2. Chamada pública para comentários sobre a inicial draft (Final de dezembro de 2013)

  3. Compilação de todos os comentários recebidos, incorporação de edições relevantes (final de janeiro de 2014)

  4. Recomendação de final draft ao Conselho para “aprovação”. (Final de fevereiro de 2014)

  5. Aprovação e implementação (final de março de 2014).

 

Ernest reiterou ainda que nenhuma mudança nas políticas existentes foi feita, e que essas políticas existentes foram apenas combinadas em um documento, para facilidade de consulta, referência e atualização, e que todas as propostas de políticas futuras, após a implementação do manual, ser refletida como alterações nas seções do manual.

 

Ele disse ainda que a numeração da proposta de política permanece inalterada e que para modificar uma seção do manual, uma proposta de política deve declarar qual seção e cláusula explícitas serão afetadas. Ele também observou que todos os documentos de política anteriores serão arquivados para referência futura.

 

Observou-se que a Diretoria aprovará o manual final draft e um anúncio será enviado à comunidade. Ao mesmo tempo, as diretrizes de atualização do manual serão incorporadas ao processo de desenvolvimento de políticas, quando apropriado, e publicadas online.

 

Alguns membros notaram que no atualmente publicado draft, seções do “IPv4 Política de pouso suave ”estão faltando. Também havia a preocupação de que todo o processo passasse pelo PDP como uma proposta de política regular. AFRINIC observou que o draft ainda não foi anunciado e uma vez que o final draft estiver pronto, será anunciado conforme cronograma já mencionado.

 

    1. Microfone aberto de política

Seun Ojedeji abriu a palavra para comentários da comunidade sobre quaisquer questões políticas. O seguinte ponto foi levantado:

  • Detentores de recursos legados - alguns membros observaram que a AFRINIC pode querer considerar incentivos para fazer com que os mais de 400 detentores de recursos legados paguem algo pelo serviço que a AFRINIC lhes oferece, que é a manutenção de seus dados de recursos no whois base de dados. Também foi sugerido que um acordo como o Legacy RSA da ARIN poderia ser proposto para detentores de recursos legados.

  • Outros observaram que é importante que o registro se mantenha atualizado, e isso deve ter mais preferência em vez de forçar as organizações legadas a pagar pelo serviço.

  • Sobre o tipo de informação (e detalhes) que a AFRINIC solicita aos requerentes de recursos, observou-se que alguns países têm leis relacionadas à privacidade e que seria ilegal nesses países uma empresa fornecer detalhes de seus clientes à AFRINIC, e que para contornar esse fator, o AFRINIC precisa estabelecer um certo nível de confiança com seus candidatos.

  • Uso de recursos fora da região (especialmente para IPv4 recursos) foi discutido, e a questão de muitas operadoras se estabelecendo na África para atender clientes internacionais, resultando em IPv4 endereços sendo usados ​​fora da África. Alguns observaram que isso é realmente uma coisa boa e que é difícil determinar de forma realista o que conta como uso fora da região, pois qualquer pessoa pode fazer negócios em qualquer lugar, mesmo que os recursos tenham sido emitidos para uma empresa na região.

Última modificação em -
Data e hora nas Maurícias -