Info! Please note that this translation has been provided at best effort, for your convenience. The English page remains the official version.

AFRINIC-22 Ata da Reunião do PDWG

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Ata de reunião

Data: 03 junho 2015
Cadeiras: Seun Ojedeji, Barry Macharia
Onde: Regency Hotel, Tunis

PDF


 

Agenda:

Sessão 1: 08:30 - 10:00

1. Boas-vindas e introdução de sessões (Seun Ojedeji)

2. Revisão da Agenda (Seun Ojedeji)

3. Introdução ao processo de desenvolvimento de políticas (Seun Ojedeji)

4. Relatório de políticas recentemente ratificadas / implementadas (Ernest Byaruhanga)

5. Resumo das propostas em discussão em outras regiões (Ernest Byaruhanga)

 

Sessão 2: 10:30 - 12:00

6. Proposta de política: Uso fora da região de recursos de números da Internet AFRINIC (AFPUB-2014-GEN-002-DRAFT-02) (Douglas Onyango)

7. Proposta de política: Diretrizes de serviço AFRINIC (AFPUB-2014-GEN-005-DRAFT-01) (retirado)

 

Sessão 3: 16:00 - 17:30

8. Proposta de Política: Reserva de Recursos para Pontos de Troca de Internet (AFPUB-2014-GEN-004-DRAFT-01) (Michuki Mwangi)

9. Status do documento / manual consolidado de políticas (Ernest Byaruhanga)

10. Relatório de experiência em implementação de políticas (Madhvi Gokhool)

11. Eleição do PDWG (Boubakar Barry)

12. Microfone aberto (Seun Ojedeji, Barry Macharia)

13. Adiamento (Seun Ojedeji, Barry Macharia)

 

Sessão 1: 08:30 - 10:00

1.0 Boas-vindas e introdução às sessões

Seun Ojedeji abriu a reunião às 0900:22, horário local, em Tunis, deu as boas-vindas a todosnd A Reunião de Políticas Públicas da AFRINIC e indicou que o outro co-presidente, Adam Nelson, renunciou recentemente à sua posição e, portanto, Seun presidiria as sessões individualmente até que um segundo co-presidente fosse selecionado pela comunidade, um item da agenda planejada no final do dia.

 

2.0 Revisão da Agenda

Seun declarou que o item 7 da agenda (Proposta de política: Diretrizes de serviço AFRINIC (AFPUB-2014-GEN-005-DRAFT-01) da sessão 2 não será mais discutido, visto que o autor desta proposta a retirou (2 dias antes da reunião).

 

3.0 Introdução ao processo de desenvolvimento de políticas

Seun apresentou o Processo de Desenvolvimento de Políticas (PDP) à reunião. Ele afirmou que o PDP é baseado em três princípios de abertura, transparência e justiça e indicou que qualquer pessoa pode participar iniciando novas propostas ou discutindo sobre propostas e políticas já ativas. Ele passou pelo processo pelo qual uma nova proposta passa desde a criação, pelas discussões na lista de discussão, pela apresentação na reunião de política pública presencial e até o momento em que é implementada pela AFRINIC.

 

4.0 Relatório de políticas recentemente ratificadas / implementadas

Ernest Byaruhanga atualizou as políticas implementadas pelo AFRINIC desde a última reunião (AFRINIC21 - Cybercity, Maurício) da seguinte forma:

  • Atribuições anycast na região de serviço AFRINIC (AFPUB-2012-V4-001): Esta proposta foi uma continuação da proposta de serviços anycast original e foi implementada em abril de 2015. Adicionou IPv6 e ASN disposições anycast à proposta original. Como consequência da sua implementação, uma organização que cumpra os critérios de elegibilidade de membro AFRINIC pode solicitar um / 24 IPv4 e / ou um / 48 IPv6 bloco e / ou 1ASN para anycasting qualquer um dos seus serviços de acordo com as disposições do BCP126.
  • Sem rDNS, a menos que atribuído (AFPUB-2012-DNS-001): Consequentemente à implementação desta política, todos os registros locais da Internet (LIRs) mantendo IPv4 e IPv6 as alocações de endereços não podem mais receber serviços DNS reversos (rDNS) da AFRINIC, a menos que registrem todos os endereços IP atribuídos a seus clientes (e / ou as próprias redes de LIR) no AFRINIC whois base de dados. A política foi implementada e aplicada retrospectivamente. Ernest afirmou que a equipe de Atendimento ao Cliente da AFRINIC tem estado ocupada entrando em contato com as organizações afetadas para cumprir os requisitos desta política a fim de evitar a interrupção do serviço de rDNS, o que aconteceria 12 meses após a implementação da política.

 

5.0 Resumo das políticas em discussão em outras regiões

Ernest Byaruhanga forneceu uma visão geral das propostas em discussão na APNIC, ARIN e LACNIC que poderiam ser de interesse para a região da África a partir do contexto do que está atualmente em discussão (na região da AFRINIC) e os diferentes problemas que foram discutidos na Lista "rpd".

 

ARIN:

Alterar os requisitos de utilização de "última alocação" para "total agregado": de acordo com esta proposta, os ISPs devem ter utilizado com eficiência todas as alocações em conjunto para pelo menos 80% (e pelo menos 50% de toda alocação) para receber espaço adicional . Isso inclui todo o espaço que foi emitido para os clientes dos ISPs.

 

LACNIC:

Inter-RIR Transferências: Esta proposta permite que as organizações transfiram IPv4 espaço de outras regiões para a região de serviço do LACNIC para construir mais redes na região. Não inclui a opção de transferência IPv4 espaço de LACNIC para outras regiões.

 

APNIC:

  • Modificação no ASN Critérios de elegibilidade: a proposta modifica os critérios de elegibilidade para ASNs para que o requisito absoluto de multi-home antes que uma organização possa receber um ASN é removido. Sob esta proposta, uma organização é elegível para um ASN se está planejando usar o ASN dentro de 6 meses.
  • Modificação de IPv4 critérios de elegibilidade do espaço: esta proposta estenderia os critérios para o site final IPv4 atribuições para que uma organização seja elegível para receber uma atribuição de site final (PI) se essa organização for multi-homed ou interconectada com endereços IP do provedor (ISP), ou demonstrar um plano para anunciar o (s) prefixo (s) solicitado (s) dentro de 3 meses para obtê-los.

 

MADURO:

Marco Schmidt do RIPE NCC forneceu uma atualização sobre as propostas em discussão no RIPE categorizadas em IPv6 implantação, transferências de recursos da Internet e uso fora da região da seguinte forma:

  • 2015/02/XNUMX: Keep IPv6 PI ao solicitar IPv6 Alocação: A proposta visa remover o requisito de que um tamanho de alocação será baseado apenas em usuários existentes e permite a consideração de critérios adicionais para organizações não ISP com IPv6 planos.
  • 2014-04: Removendo IPv6 requisito para receber IPv4 espaço do / 8 final: A condição de que um LIR deve ter recebido um IPv6 bloquear antes de solicitar um IPv4 bloco do / 8 final é removido por esta proposta. A política obteve consenso e ainda não foi implementada pelo RIPE NCC.
  • 2015-01: Alinhamento dos requisitos de transferência para IPv4 alocações: A proposta visa alinhar IPv4 requisitos de transferência de espaço com um período de "espera" de 24 meses para todos IPv4 alocações de forma que o LIR que transferiu o espaço e o LIR que o recebeu não possam transferir o mesmo bloco dentro de um período de 2 anos. Isso foi feito para evitar especuladores (no mercado).
  • 2014-12: Permitir IPv6 transferências: Isso torna possível transferir IPv6 espaço de endereço dentro dos membros / detentores de recursos RIPE NCC
  • 2014-13: Permitir ASN Transferências: Esta proposta torna possível a transferência de números de AS entre detentores de recursos RIPE NCC. Esta proposta juntamente com 2014-12 torna possível transferir qualquer tipo de recurso dentro do RIPE NCC LIRs.
  • 2014-05: Inter-RIR transferência de recursos de números da Internet: Permite a transferência / troca de recursos com outros RIRs que têm políticas de transferência compatíveis (atualmente ARIN e APNIC). A implementação desta proposta está prevista para agosto de 2015.

 

Marco afirmou que não há nenhuma política ativa ou qualquer proposta no RIPE que restrinja o uso fora da região, e indicou que como parte da análise de impacto para a proposta 2014-05, o RIPE NCC só registrará recursos se a rede que será usá-los tem pelo menos “um elemento ativo” localizado na região de serviço RIPE NCC. Marco afirmou que qualquer pessoa pode aderir ao RIPE NCC PDP para participar e pode fornecer feedback gratuitamente se as políticas do RIPE puderem ter um impacto nas operações globais ou regionais da Internet.

 

Ernest informou que a maioria das propostas acima de outros RIR as regiões parecem tocar em muitos aspectos que foram discutidos em nossa região antes e seria útil se a comunidade pudesse considerar propostas semelhantes para uma melhor gestão dos recursos numéricos de nossa região, caso fossem necessários. Ele encorajou a comunidade a prestar atenção especial durante o relatório de experiência de implementação de políticas para questões que precisam de orientação política e onde tais políticas já foram discutidas em outro lugar.

 

Os seguintes problemas surgiram da palavra durante o período de perguntas:

  • As duas propostas de política (uso fora da região de recursos de números da Internet da AFRINIC e reserva de recursos para pontos de troca da Internet) parecem não ter mudado muito desde a AFRINIC21; o orador queria saber por que está sendo desperdiçado tempo discutindo-os novamente. Vários outros oradores levantaram a mesma preocupação.
  • Seun indicou que, de acordo com o PDP, as duas políticas ainda estão muito em discussão, até o momento em que são retiradas pelos autores, ou expiram caso não recebam nenhuma atualização em 12 meses.
  • Foi levantada uma questão sobre por que não há Inter-RIR política de transferência em discussão. Seun indicou que não existe tal proposta e que o PDP está lá para que qualquer pessoa da comunidade a proponha, se considerar bom para a região.

 

Sessão 2: 10:30 - 12:00

6.0 Proposta de política: Uso fora da região de recursos de números da Internet AFRINIC (AFPUB-2014-GEN-002-DRAFT-02)

Antes de apresentar a proposta, Douglas Onyango perguntou se a sessão pode continuar sendo conduzida por um copresidente, em vez de dois, e propôs que isso seja resolvido antes que ele possa prosseguir, por uma questão de procedimento.

 

Havia um acordo geral com a preocupação de Douglas, e alguns propuseram que uma das pessoas presentes na reunião familiarizada com o PDP (e talvez já atuou como co-presidente antes) pudesse atuar como o segundo co-presidente, até que o co-presidente regular A posição da cadeira é preenchida mais tarde à noite. Outros sugeriram que talvez a eleição do copresidente do PDP pudesse ser adiada com o objetivo de ter dois copresidentes.

 

Ernest citou as disposições do PDP em circunstâncias em que não há presidência por ausência ou renúncia. Ele afirmou que o grupo de trabalho (membros da comunidade presentes na reunião) poderia nomear um presidente para a sessão se um dos co-presidentes não pudesse comparecer à reunião. Ernest também declarou que o mesmo grupo de trabalho pode selecionar um presidente para concluir o mandato remanescente de um co-presidente que renunciou, o que também é um item da agenda planejado para a tarde. Ernest afirmou que o processo para selecionar uma cadeira temporária para esta sessão (e / ou concluir o restante do mandato de Adam) pode ser feito agora e pediu que qualquer pessoa que deseje ser voluntária (ou qualquer pessoa que possa nomear um voluntário) se intensifique.

 

Seun Ojedeji reconheceu e aceitou a visão do chão. No entanto, ele esclareceu que, de acordo com a diretriz do PDP, NÃO há falha de procedimento em um único copresidente presidindo uma reunião de políticas públicas e também viu o AFRINIC19 como um exemplo de quando isso aconteceu no passado. Alan Barrett também reiterou alguns dos pontos feitos por Seun. A nomeação então começou, liderada por Ernest.

 

Andrew Alston e Hytham El Nakhal nomearam Mark Elkins, enquanto Christian Bope nomeou Barry Macharia como co-presidente temporário da sessão e, ao mesmo tempo, co-presidente que completaria o restante do mandato de Adam. Barry Macharia aceitou a indicação. Nii Quaynor expressou apoio a Barry para preencher e completar o restante do assento vazio.

 

Ernest observou que, como Mark Elkins é um membro do Conselho, ele está em conflito se ele servir na capacidade de um co-presidente do PDP como membro do Conselho. Outros membros presentes concordaram que a nomeação de Mark para a posição de copresidente do PDWG é realmente um conflito. O Presidente do Conselho da AFRINIC também concordou que Mark está em conflito.

 

Havia uma proposta de que, se houver dois candidatos a co-presidente, e um deles for titular, ambos os candidatos podem preencher essas posições agora por padrão e as sessões podem continuar. Ernest indicou que essa idéia não poderia se sustentar, já que a eleição da tarde é para o mandato de um co-presidente que termina regularmente, o que pode ser conquistado por qualquer um dos dois candidatos.

 

Ernest convidou Barry a dizer algumas palavras para que a comunidade avaliasse sua capacidade de realizar o trabalho. Após o discurso de Barry, um show de mãos foi chamado para aqueles que pensam que Barry é capaz de completar o mandato de Adam. Sua seleção por show de mãos foi unânime e Barry foi selecionado para completar o mandato de Adam e foi imediatamente chamado para co-presidir as sessões do dia com Seun.

 

Com a sessão tendo dois co-presidentes, Douglas Onyango foi chamado a retomar a apresentação da proposta “Uso fora da região de recursos de número de Internet da AFRINIC” como autor. Entre outros, ele compartilhou os seguintes destaques principais de sua proposta:

  • As políticas atuais do AFRINIC não permitem explicitamente ou proíbem o uso de recursos de números da Internet fora da região. Esta proposta, se ratificada, permitirá explicitamente o uso fora da região dos recursos numéricos do AFRINIC.
  • Ele procura definir um limite de qual porcentagem de recursos de números da Internet pode ser usada por um membro fora da região de serviço do AFRINIC, permitindo que até 40% dos recursos em uso estejam fora da região.
  • Ele também tenta desencorajar organizações de outras regiões que desejam adquirir recursos da AFRINIC para uso de maneiras que não estão alinhadas com as políticas e os melhores interesses da AFRINIC.
  • O autor não busca prolongar a vida de IPv4 com esta política; em vez disso, procura garantir que os recursos numéricos alocados / atribuídos pela AFRINIC sejam usados ​​pelos membros da região de serviço para apoiar as suas operações de rede legítimas, independentemente da localização física.
  • Após a ratificação desta política, o uso fora da região dos recursos numéricos da AFRINIC será permitido desde que seja precedido pelo uso dentro da região.
  • O pessoal da AFRINIC, a seu critério, avaliará a conformidade e usará os meios disponíveis.

 

Antes de fazer perguntas, Seun aproveitou a oportunidade para dar as boas-vindas a Barry e desejou-lhe sorte no desempenho de suas funções, e também agradeceu a Adam pelo tempo que levou para ser voluntário da comunidade, até que ele teve que retornar aos EUA para um novo emprego. estar com a família dele.

 

Seun abriu a palavra para comentários e o seguinte feedback foi recebido dos membros da comunidade presentes (física e remotamente) após a apresentação de Douglas:

  • Andrew Alston se opôs fortemente à proposta (como fez quando foi proposta inicialmente) com base no fato de que os 40% são um número arbitrário sem base em como foi apresentada. Ele também indicou que essa proposta interrompe o crescimento das empresas africanas que desejam expandir suas redes para qualquer lugar do mundo em qualquer escala, princípio esse que é sufocado por essa proposta, pois elas teriam que procurar no mercado secundário de endereços IP, o que seria um sério encargo financeiro para o LIR.
  • Douglas afirmou que, ao chegar ao número de 40%, havia uma suposição de que uma organização domiciliada na África teria a maior parte de suas operações de rede e clientes na África e, portanto, mais recursos do número seriam usados ​​dentro e não fora da região.

Outros comentários recebidos foram os seguintes:

  • Os endereços IP da região africana devem ser usados ​​na África e nenhum deve ser permitido fora da região; portanto, o orador se oporia à proposta, conforme escrito. Se uma empresa africana tem um enorme cliente multimilionário fora da África, a renda desse cliente pode justificar a compra de recursos do mercado secundário.
  • A proposta não limita realmente o uso externo do espaço IP, porque qualquer entidade externa pode se domiciliar na África apenas para obter o espaço e ainda usá-lo fora da região; portanto, o orador se opôs à proposta.
  • AFRINIC deve se concentrar mais em IPv6 desdobramento, desenvolvimento. É inútil se agarrar e estender a vida útil de IPv4 espaço, uma vez que, eventualmente, só estará disponível na África e não em qualquer outro lugar, portanto, pode revelar-se sem valor quando todos os outros adotaram IPv6. Alguns membros notaram que IPv6 ainda não é viável porque o suporte ao CPE ainda é fraco.
  • O AFRINIC foi criado para apoiar e fornecer serviços às operações africanas e africanas da Internet, e qualquer política que promova o uso do espaço fora da região será contrária. Os IPs africanos devem ser usados ​​na África.
  • Observou-se que para migrar de forma eficiente para IPv6, ainda há uma necessidade técnica de IPv4 durante a transição e drenando este IPv4 espaço fora do continente, o que é crucial para a migração para IPv6 de certa forma, interrompe a transição para IPv6. O orador se opôs à proposta.
  • Houve sugestões de que toda solicitação deveria ser justificada com base na necessidade comprovada, seja ela utilizada dentro ou fora da região. Ao mesmo tempo, existem RIRs (e mercados secundários) atendendo a outras regiões e se houver uma solicitação que precise de espaço para usar fora da região, ICP-2 tem recomendações que RIRs servem regiões específicas e esse é o espírito a ser mantido. Além disso, também existem disposições semelhantes no Contrato de Serviços de Registro AFRINIC.
  • O espírito da proposta de política é bom como está escrito; no entanto, não resolve o problema que está tentando resolver.
  • Qualquer proposta que tente expatriar os recursos da África para fora da África deve ser rejeitada, pois isso estabeleceu um mau precedente na história do nosso continente. Sobre esse comentário, Douglas observou que a proposta não está expatriando recursos fora da África, mas permitindo que operadores de redes IP africanos genuínos usem o espaço de endereços IP AFRINIC para atender clientes de fora da região.
  • Houve uma sugestão de que, se houver um registro global em vigor, o conceito pode ser aplicado a partir do contexto daRIR política de transferência, e tomar providências para transferir os 40% sugeridos para uso fora da região para o RIR servindo aquela região. Faz sentido que o RIR onde as operações estão localizadas deve ser aquele que registra esses recursos.
  • Foi levantada uma questão sobre a aplicação da política, pois parece ser impossível para a AFRINIC fazer cumprir tal proposta, mesmo quando ratificada, especialmente para os usuários finais. Ernest esclareceu que o único método de execução disponível é por meio do que o LIR registrou no whois banco de dados, e se o LIR registra um intervalo de IP com um país africano, mas o usa fora da região, não há maneira de AFRINIC verificar (com base em whois registros) que o recurso é usado fora da África - tornando a aplicação um problema. Também não é possível aplicar a aplicação aos usuários finais (espaço PI), pois não há subdelegações registradas no whois base de dados.

Após o encerramento dos comentários e perguntas da platéia, os copresidentes determinaram que não havia consenso sobre a proposta. Portanto, ele volta à lista de discussão em linha com o PDP, para discussões adicionais.

 

 

7.0 Proposta de política: Diretrizes de serviço AFRINIC (AFPUB-2014-GEN-005-DRAFT-01)

O autor retirou esta proposta em 02 de junho de 2015 (um dia antes da discussão programada).

 

Sessão 3: 16:00 - 17:30

8.0 Proposta de política: Reserva de recursos para pontos de troca da Internet (AFPUB-2014-GEN-004-DRAFT-01)

Michuki Mwangi, um dos co-autores da proposta, compartilhou os principais destaques da proposta e indicou que não houve novas atualizações na proposta desde que foi apresentada nas Maurícias, mas disse que deve haver pessoas em Tunis que não estavam nas Maurícias, daí a relevância e necessidade de novas discussões e perspectivas.

  • Com IPv4 exaustão ao virar da esquina, há muitos IXPs que atualmente têm apenas um / 24, mas estão procurando crescer no futuro (para seu peering e LANs de administração / gerenciamento).
  • A LAN peering nos IXPs é um espaço unicast que não é roteado globalmente, mas é visível para os pares, uma situação exclusiva dos IXPs. Senão, os IXPs podem ser usados ​​como pontos de trânsito para redes ISP se a LAN peering for roteada globalmente.
  • A proposta visa reservar IPv4 espaço e 2 bytes ASNs blocos especificamente para IXPs para permitir que eles ainda cresçam mesmo quando esses recursos acabarem no AFRINIC.
  • Não tendo IPv4 endereços para aumentar ou iniciar novos IXPs criariam uma complexidade de roteamento desnecessária e desnecessária para redes conectadas à Internet que procuram fazer pares em IXPs para ampliar seu escopo de rede.
  • AFRINIC já tem uma política existente para fazer alocações para IXPs, mas essa política não reserva especificamente IPv4 espaço para garantir que haverá tal, para os futuros IXPs crescerem e se desenvolverem. Além de reservar IPv4 espaço, esta proposta reserva um conjunto de 2 bytes ASNs para uso por IXPs para uso em servidores de rota IXP BGP.
  • A proposta é reservar um bloco / 16 para requisitos futuros para LANs de peering IXP na região de serviço do AFRINIC, e que o AFRINIC publique esse bloco publicamente. Além disso, propõe-se reservar o equivalente a um bloco / 16 adicional para prefixos de gerenciamento IXP, separado das LANs emparelhadas.
  • Propõe-se que AFRINIC reserve um bloco de 2 bytes ASNs para uso em servidores de rota BGP em IXPs na região de serviço AFRINIC. O número de ASNs a serem reservados devem ser maiores de 114, ou metade dos 2 bytes restantes ASNs dentro do bloco AFRINIC na data de ratificação desta política. A AFRINIC alocará esses recursos de acordo com a ordem de chegada.

 

Os seguintes comentários e perguntas foram recebidos do público após a apresentação de Michuki:

  • A proposta recebeu apoio de vários membros da comunidade, alguns indicando que outros RIRs têm uma política semelhante na fase de discussão ou já implementada e em uso.
  • Foram levantados comentários sobre os números AS de 2 bytes vs. 4 bytes - afirmando que AFRINIC não tem 2 bytes ASNs mais, portanto, a irrelevância da proposta. Ernest indicou que não há diferenciação entre 2 e 4 bytes ASNs, como todos RIRs agora têm um comum de 4 bytes ASN pool, e que é possível que os autores se referiram a AS0-AS65536 dentro do pool de 4 bytes.
  • Comentários sobre a necessidade de os IXPs considerarem IPv6 foram recebidos, declarando que os IXPs devem definir precedência, não reservando números legados e, em vez disso, devem abraçar IPv6 e 4 bytes ASNs. Michuki afirmou que os IXPs existem para conectar redes legadas e não legadas e que, se um novo par oferecer suporte apenas IPv4 ou 2 bytes ASNs (como pode ser o caso em um futuro previsível em nossa região), o IXP deve acomodar e, portanto, o espírito da proposta.
  • Alguns membros sugeriram estender a proposta aos ccTLDs e NRENs. Michuki e Nishal declararam que os IXPs têm necessidades muito específicas, como já discutido, que não estão alinhadas às necessidades dos ccTLDs; portanto, uma proposta nova e diferente seria necessária para atender a outros grupos de interesse que desejam que sua reserva seja feita pela AFRINIC.
  • Houve uma sugestão de dividir as propostas, ter uma específica para IPv4 e outro para ASNs que aborda especificamente a ambiguidade de 2 e 4 bytes (para alinhá-la com a política AFRINIC). Alguns membros afirmaram que isso não era necessário, pois atrasava desnecessariamente a proposta por mais 6 meses sem nenhum valor significativo realizado.
  • Pequenas alterações foram propostas e os autores concordaram em fazer as atualizações de acordo.

 

Após o encerramento dos comentários, consulta entre os copresidentes e chamada para "levantar as mãos" para avaliar o apoio à proposta conforme alterada vs. aqueles que acham que deveria ser enviada de volta para a lista de mala direta, os copresidentes determinaram que lá houve consenso sobre a proposta de política e que ela avançará na próxima etapa do PDP, que é a fase de “última chamada”.

 

9.0 Status do Documento de Política Consolidado

Ernest Byaruhanga apresentou o Manual de Políticas Consolidado como uma iniciativa que combina todas as políticas ativas em um documento fácil de navegar, consultar e atualizar. O documento foi apresentado nas 2 reuniões anteriores, onde a comunidade recomendou que o draft ser compartilhado com publicamente para comentários e todos os comentários sejam consolidados em um draft para a aprovação final da Diretoria.

 

As informações disponíveis para os copresidentes do PDWG são de que o documento está aguardando a aprovação da Diretoria. O Presidente do Conselho indicou que o documento não foi recebido e solicitou aos copresidentes que reenviassem ao Conselho para análise e aprovação. No entanto, o presidente do conselho confirmou o recebimento do documento e indicou que ele será discutido e considerado para aprovação na próxima reunião do conselho.

 

 

10.0 Relatório de Experiência de Implementação de Política

Madhvi Gokhool compartilhou o Relatório de Experiência de Implementação de Políticas, que contém uma visão geral das diferentes seções das políticas atualmente ativas e como o AFRINIC as interpreta e as implementa a partir do contexto dos problemas que o AFRINIC enfrenta ao lidar com solicitações onde essas políticas se aplicam.

 

Madhvi compartilhou os seguintes destaques:

  • Empresas “off-shore”: Estas empresas tornaram-se muitas ultimamente e estão principalmente incorporadas em economias onde não têm infraestrutura, nem o seu estatuto legal lhes permitiria gerir qualquer infraestrutura ou negócios normais nesses países, mais notavelmente nas Maurícias e Seychelles. Notou-se que tais empresas tendem a solicitar enormes IPv4 blocos para implantação fora da África.
  • Alocações adicionais / subsequentes: É feita uma auditoria completa dos recursos utilizados pelo membro, começando com o status de roteamento do espaço IP para dados históricos que podem ser estabelecidos. Se os membros acharem que o AFRINIC deveria realizar auditorias de utilização, os membros devem fornecer feedback apropriado.
  • A política do usuário final (para espaço PI) exige que o solicitante inicial mostre o uso atual existente de / 25 ou prove que usará metade do que foi solicitado dentro de 3 meses. A maioria das pequenas empresas não atende à justificativa de necessidades para esta política por mais que desejem múltiplas residências e são capazes de adquirir um ASN.
  • Fusões e aquisições: Não existe uma política ativa para fusões e aquisições - além de um documento de “diretrizes” criado pela equipe da AFRINIC, que não cobre muitos cenários relacionados a transferências internas. Existem várias solicitações de transferência interna pendentes devido à falta de política para orientar o AFRINIC sobre como lidar com elas. A comunidade pode querer criar uma proposta revisada.
  • ASN política: a política requer multi-homing (ou um plano para fazê-lo). O AFRINIC verifica os pares fornecidos (pelo solicitante) para confirmação, embora muitas vezes esses pares não retornem ao AFRINIC, atrasando assim a solicitação. Alguns ASN as solicitações incluem apenas um par BGP, o que também as torna rejeitadas.
  • RDNS: Não oferecemos serviços de rDNS, a menos que haja algumas atribuições de IP do cliente registradas no WHOIS base de dados. Estamos ensinando aos membros o impacto dessa proposta, pois alguns deles tiveram seus serviços interrompidos.
  • Subalocações: Avaliamos todas as subalocações, a menos que o LIR tenha sido autorizado pela AFRINIC para realizar as próprias alocações.

 

Os seguintes comentários e perguntas recebidos em consequência da apresentação de Madhvi:

  • A Liquid Telecom teve muitas fusões e consolidações realizadas nos meses anteriores, que a AFRINIC lidou muito bem, com elogios.
  • AFRINIC deve considerar uma API REST para o whois banco de dados de LIRs que desejam integrar seus sistemas de gerenciamento de endereço IP com o AFRINIC whois O banco de dados pode fazer isso facilmente.
  • Observou-se que a AFRINIC precisa esclarecer como as várias solicitações pendentes de Fusões e Aquisições (F&A) declaradas (na apresentação de Madhvi) se relacionam ao fato de que não há nenhuma política de M&A e Transferência Interna para orientar a AFRINIC no tratamento destas. Madhvi indicou que há correlação e que se a comunidade não vier com uma política para orientar a AFRINIC, a diretriz atualmente inadequada ainda será consultada.

 

11.0 Eleição PDWG

Boubakar Barry, presidente do Comitê de Nomeações de 2015 (NomCom), liderou a sessão. Ele apresentou os outros membros do NomCom, agradeceu à Diretoria pela oportunidade oferecida ao NomCom para servir a comunidade, compartilhou os Termos de Referência do NomCom e compartilhou o processo e os cronogramas da eleição do co-presidente do PDWG.

 

Boubakar compartilhou os critérios de elegibilidade para a posição de copresidente do PDWG, bem como as responsabilidades dos copresidentes. Indicou que a convocação de candidaturas era em 03 de maio de 2015, prazo para inscrições em 12 de maio de 2015 e publicação da lista de candidatos em 15 de maio de 2015.

 

Foram recebidas duas indicações e, finalmente, dois candidatos: Seun Ojedeji, da Nigéria, e Khaled Koubaa, da Tunísia. Khaled Koubaa enviou um e-mail ao NomCom, retirando sua candidatura algumas horas antes desta eleição, na qual ele indicou apoio a Seun - deixando Seun o único candidato para o cargo.

 

Boubakar ligou para Seun para conversar com a comunidade por alguns minutos antes que a comunidade o elegesse. Seun agradeceu a Khaled por demonstrar forte apoio à sua nomeação, retirando sua candidatura e instando a comunidade a apoiá-lo. Ele afirmou que continuaria a defender os princípios do PDP e serviria a comunidade sem reservas, como ele tem feito.

 

Ernest indicou que a eleição do copresidente do PDWG é por demonstração de mãos e por qualquer pessoa presente na sala. Por demonstração de mãos, Seun foi selecionado por unanimidade para um mandato subseqüente de dois anos como co-presidente do PDWG.

 

 

12.0 Microfone aberto

Os seguintes assuntos foram levantados durante o microfone de política aberta:

  • Um membro apelou à comunidade para que olhasse fortemente para o Intra e o Inter RIR políticas de transferência de IPv4 espaço. A realidade é que os detentores de legado dentro do continente querem transferir seu espaço para outras organizações e, ao mesmo tempo, quando acabarmos, pode haver uma situação em que as empresas AFRINIC queiram receber espaço de outras organizações dentro e fora da região . Embora haja a impressão de que o AFRINIC ainda tem espaço suficiente, algumas solicitações grandes em grandes economias podem esgotar todo o estoque do AFRINIC.
  • Observou-se que a comunidade parece oposta à transferência de políticas porque elas parecem ser motivadas puramente a partir da base de ganhos monetários e da drenagem de recursos para fora do continente. Se tais políticas puderem ser escritas a partir do contexto de outras vantagens que poderiam ser obtidas pela comunidade, talvez a comunidade as adote mais.
  • Como os governos são os maiores gastadores na maioria das economias africanas, é importante envolvê-los no PDR AFRINIC, porque eles podem tomar decisões internamente, como a criação de registros nacionais de PI, que o AFRINIC terá que cumprir de qualquer maneira. Ernest indicou que houve iniciativas para dialogar com os governos a partir do contexto do trabalho que realizamos, como o AfGWG, que se reúne em todas as reuniões da AFRINIC. O PDP está aberto, no entanto, e nada impede que os governos participem.
  • Um membro sugeriu que o AfGWG é uma excelente iniciativa e que o AFRINIC poderia revitalizá-lo, observando o que não está funcionando e melhorando o seu funcionamento, para que haja mais diálogo e participação dos governos.

 

13.0 Adiamento

Os co-presidentes agradeceram a todos por sua participação ativa e encerraram a reunião às 1830hXNUMX, horário local em Tunis.

Resumo do status das propostas discutidas
Uso fora da região de recursos de números da Internet AFRINIC Sem consenso
Reserva de Recursos para Pontos de Troca na Internet Consenso
Última modificação em -
Data e hora nas Maurícias -