Info! Please note that this translation has been provided at best effort, for your convenience. The English page remains the official version.

AFRINIC-27 Ata da Reunião do PDWG

Imprimir amigável, PDF e e-mail

Co-presidentes de sessão:

  • Sami Salih
  • Adewole Ajao

AGENDA

09: 00 - 09: 15

  1. Bem-vindo, introdução e visão geral da agenda

Ernest Byaruhanga, Dewole Ajao

09: 15 - 09: 45

  1. O AFRINIC PDP

Dewole Ajao

09: 45 - 10: 15

  1. Atualizações de política de outros RIRs

Ernest Byaruhanga

10: 15 - 10: 30

  1. Atualização da implementação da política: IPv4 Transferências de recursos dentro da região de serviço AFRINIC.

Ernest Byaruhanga

QUEBRAR

11: 00 - 11: 45

  1. Lame Delegations no AFRINIC Reverse DNS

Amreesh Phokeer, Daniel Shaw

11: 45 - 12: 30

  1. IPv4 Pouso suave - BIS

Alain Aina, Omo Oaiya

ALMOÇO

14: 00 - 14: 45

  1. Análise de recursos de números da Internet pela AFRINIC

Arnaud Amelina, Marcus Adomey, Jean-Baptiste Millogo

14: 45 - 15: 30

  1. Política de agregação de rota

Ernest Byaruhanga (para David Hilario)

QUEBRAR

16: 00 - 16: 45

  1. Processo de Desenvolvimento de Políticas AFRINIC BIS

Komi Abel Elitcha, Alain Aina

16: 45 - 17: 30

  1. Microfone de política aberta

Dewole Ajao, Sami Salih

  • Relatório de Experiência de Implementação de Política

Madhvi Gokool


 

1. Boas-vindas, introdução e visão geral da agenda


A reunião teve início às 0930hXNUMX, hora local, em Lagos. Ernest Byaruhanga (AFRINIC) apresentou Sami Salih (Sudão) e Adewole Ajao (Nigéria) - os co-presidentes do Grupo de Trabalho de Desenvolvimento de Políticas (PDWG) e os convidou a orientar todas as discussões do dia. Os membros da comunidade presentes foram incentivados a participar ativamente das discussões presenciais, de forma que as decisões sobre as propostas reflitam principalmente os pensamentos de todos os presentes. A agenda foi compartilhada com os delegados sem emendas. Os participantes foram lembrados a aderir ao 'código de conduta' durante a participação, que exige que as discussões sejam cultas, respeitosas e sempre no melhor interesse da comunidade AFRINIC.

 


 

2. O PDP AFRÍNICO

O Processo de Desenvolvimento de Políticas da região AFRINIC foi explicado aos participantes da seguinte forma:

  • Uma proposta de política ou ideia é postada por qualquer pessoa de qualquer lugar, independentemente de localização, raça e outros preconceitos, para o Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. lista de discussão. O autor não precisa ser membro da AFRINIC; tudo o que é preciso é algum interesse em fazer parte do espaço de gerenciamento de recursos numéricos.
  • Todas as discussões são abertas e ocorrem no Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. lista de correspondência e em reuniões presenciais. Todos os arquivos também estão disponíveis publicamente. Uma proposta deve ser discutida na lista de mala direta por pelo menos 4 semanas.
  • A proposta é apresentada em reunião presencial de políticas públicas. Se houver consenso, um período de última chamada de pelo menos 2 semanas é iniciado. Se não houver consenso em uma reunião presencial, a proposta volta para o período mínimo de discussão de 4 semanas na lista até a próxima reunião presencial.
  • Após a última convocação, a proposta é recomendada à Diretoria para ratificação. AFRINIC implementará após a ratificação do Conselho.

Os participantes foram incentivados a se inscrever no Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. lista de discussão onde todas as discussões acontecem.

 


 


3. Atualizações de outros RIRs

Propostas de políticas (relevantes para nossa região) que estão em discussão no outro RIRs foram apresentados da seguinte forma:

  • APNIC: "prop-118" remove a exigência de um destinatário de transferência para demonstrar a necessidade de IPv4 recursos a serem recebidos.
  • RIPE: A proposta de política RIPE-563 (Abuse Contact Management no RIPE Database) introduz novos atributos de contato em IPv4, IPv6 e ASN objetos de recursos armazenados no banco de dados RIPE. 
  • ARIN: Duas propostas foram escolhidas da lista ARIN de propostas em discussão: Proposta de política 2017-3 que aborda o problema de informações de ponto de contato imprecisas e desatualizadas para objetos armazenados no banco de dados ARIN - onde as informações de contato serão validadas anualmente pelo ARIN, e qualquer ponto de contato que não responde deve ser marcado como inválido, e a Proposta de Política 2017-4 que restringe o ARIN para apenas efetuar transferências para RIRs que permitem transferências bidirecionais.
  • LACNIC: A proposta interessante do LACNIC é semelhante a uma que foi discutida há algum tempo no AFRINIC, mas foi posteriormente retirada - o que permite transferências unilaterais de IPv4 recursos de todos os outros RIRs para LACNIC, mas não de LACNIC para aqueles RIRs.

 

As seguintes reações foram observadas após as apresentações acima:

  • As duas propostas para validação de informações de Ponto de Contato no whois banco de dados, bem como as informações de contato de abuso para whois dados (em discussão no ARIN e RIPE respectivamente) são importantes para nós também, e um esforço deve ser feito para que isso seja discutido em nossa região e talvez em todas as outras RIRs como uma política global. Observou-se que uma política global precisa ter uma declaração de problema semelhante (e um texto de política) em todas as regiões, e a comunidade é livre para coordenar tal esforço.
  • Política “sem necessidade” da APNIC sobre inter RIR transferências são perigosas e não devem ser aprovadas pelo APNIC.

 



4. Atualização da implementação da política: IPv4 Transferências de recursos dentro da região de serviço AFRINIC.

 

Foi feita uma atualização sobre o progresso na implementação da proposta de política “IPv4 Transferências de recursos dentro da região de serviço da AFRINIC ”que foi ratificado em 26 de abril de 2017. Embora devesse ser implementado até agosto de 2017, a Diretoria emitiu uma isenção para atrasar a implementação até novembro de 2017, a pedido da equipe da AFRINIC. Notou-se que a proposta será implementada em breve, enquanto se aguarda a aprovação do Conselho de draft Acordo de transferência, bem como o draft Contrato de Serviços de Registro.

 



5. Lame Delegations no AFRINIC Reverse DNS

 

A proposta de política “Lame Delegations in the AFRINIC Reverse DNS” foi (remotamente) apresentada por seus co-autores Daniel Shaw e Amreesh Phookeer. A versão discutida é 2.0, submetida em 22 de novembro de 2017. Os autores compartilharam os seguintes destaques:

  • A versão 2.0 é uma reescrita completa do texto da proposta (da versão 1.0) para simplicidade e clareza - usando uma declaração e solução de problema simples, mas a intenção e a declaração do problema, bem como a justificativa para a proposta, não mudaram.
  • As delegações rDNS são geradas a partir de “domínio” whois objetos db, mas a maioria são coxos e não funcionam, causando consultas interrompidas e sem resposta.
  • Embora alguns possam pensar que o problema é uma questão operacional que a equipe da AFRINIC pode resolver sem passar pelo PDP, a equipe não tem autoridade para excluir ou modificar membros whois dados, a menos que expressamente permitido por tal estrutura política, que é o principal objetivo desta proposta de política. No entanto, os detalhes da implementação são deixados para a equipe.

Observou-se que a proposta permite que a equipe use meios razoáveis ​​para contatar os proprietários dos objetos problemáticos antes que tais objetos possam ser adulterados, mas a equipe também pode compartilhar um plano de implementação conforme apropriado após a ratificação.

A proposta recebeu principalmente o apoio dos participantes presentes.

 

Decisão dos copresidentes: consenso. A proposta irá para “última chamada”.

 



6. IPv4 Pouso suave - BIS

Versão 6.0 da Proposta de Política “IPv4 Soft Landing bis ”recebido em 22 de setembro de 2017 foi apresentado pelos co-autores Alain Aina e Omo Oaiya. Destaques das discussões:

  • A proposta evoluiu em 6 versões desde sua introdução inicial em fevereiro de 2016
  • A política de pouso suave atual permite até um / 13 para a fase 1, não faz disposições especiais para novos (atrasados) participantes e não faz nenhuma imposição específica para IPv6 desdobramento, desenvolvimento.
  • Esta proposta altera os valores máximos e mínimos de alocação para ambas as fases e reserva espaço a ser dedicado para facilitar IPv6 desdobramento, desenvolvimento. O tamanho máximo da alocação muda para / 18 de / 13 na fase 1 (enquanto permanece em / 22 na fase 2), com o mínimo sendo / 24 para ambas as fases.
  • O atualmente reservado / 12 para "circunstâncias imprevistas" é cancelado e é substituído por um novo / 12 reserva para "facilitação IPv6 desdobramento, desenvolvimento". Qualquer pessoa que solicitar espaço neste / 12 deve demonstrar a necessidade desse espaço.
  • O / 18 foi um compromisso médio razoável derivado de estatísticas atuais que mostram a distribuição de IPv4 espaço na região AFRINIC por tamanho do prefixo.

A proposta recebeu em sua maioria declarações de apoio, com as seguintes reações:

  • Para maior clareza, a equipe do AFRINIC recomendou (na avaliação da equipe) adicionar o texto “..including IDN ccTLDs” à cláusula 5.4.7.5.3. Os autores concordaram com a mudança.
  • Os autores foram aconselhados a remover a referência ao XLAT, pois pode haver muitos mecanismos de transição e tradução, mesmo fora do IETF. 
  • O autor da atual política de pouso suave (bem como da proposta SD de pouso suave anteriormente retirada) expressou apoio à proposta, insistindo que não havia muito tempo e que a proposta precisava ser agilizada.
  • Foi notado que IPv4 as solicitações na fila de funcionários do AFRINIC devem ser tratadas retrospectivamente - de forma que aquelas recebidas antes de a política estar ativa podem ser avaliadas usando a nova política.

Os autores concordaram com as seguintes modificações propostas:

  • Incorpore a sugestão da equipe para reformular a cláusula 5.4.7.5.3 para "Excepcionalmente para este IPv6 reserva, os principais provedores de serviços DNS, conforme definido em 5.6.4.4.2, também incluirão ccTLDs africanos sancionados pela ICANN (incluindo ccTLDs com IDNs) operando na região de serviço AFRINIC. ”
  • Remova a referência a "tradutores 464XLAT" reformulando a última frase em 5.4.7.1 para "IPv4 endereços para servidores DNS de pilha dupla dos provedores de serviços DNS principais e quaisquer outros mecanismos de tradução ”.
  • Em 5.4, adicione uma cláusula declarando que a política entrará em vigor "imediatamente e será aplicada retroativamente".


Decisão dos copresidentes: consenso. A proposta irá para “última chamada”.

 


 

 

7. Revisão dos recursos de números da Internet pela AFRINIC

A proposta “Internet Number Resources Review by AFRINIC” foi apresentada pelos autores Marcus Adomey, Jean Baptiste Millogo e Arnaud Amelina, em sua 5ª versão submetida em 21 de outubro de 2017. Os destaques da apresentação foram:

  • Alguns dos autores originais recusaram-se desde então (Wafa Dahmani, agora atua como Presidente do Comitê de Governança da AFRINIC, e Serge Illunga atua no Conselho da AFRINIC)
  • A fim de garantir o uso eficiente dos recursos emitidos, o Artigo 4 do Acordo de Serviços de Registro fornece uma estrutura para a AFRINIC auditar ou investigar o uso de recursos de números emitidos, orienta os membros a cooperar com as investigações e lista as medidas que a AFRINIC pode tomar em caso de não conformidade.
  • Esta proposta afirma e fortalece ainda mais este requisito de RSA de introduzir uma estrutura por meio de política para que a AFRINIC conduza revisões regulares dos recursos emitidos e recupere quaisquer recursos cujo uso não esteja em conformidade com a política e / ou RSA. As políticas recuperadas podem ser realocadas para outros membros.
  • Os autores trabalharam com o consultor jurídico da AFRINIC para garantir que a versão mais recente (5.0) não contenha nenhuma cláusula que possa expor legalmente a AFRINIC.

Foi sugerido que os nomes removidos dos coautores sejam reintegrados, uma vez que estão no documento original, apesar da evolução das versões e responsabilidades. A proposta também precisa garantir que qualquer tipo e tamanho de membro, independentemente do tamanho do recurso (selecionado aleatoriamente), possa ser auditado / investigado.

 

Decisão dos copresidentes: sem consenso. A proposta retorna à lista de mala direta.

 


 

 

8. Política de agregação de rota

Esta proposta foi apresentada por Ernest Byaruhanga na ausência de seu autor original, David Hilario. A mesma versão enviada em 21 de abril de 2017 voltou a ser discutida conforme previsto no PDP, até que seja retirada pelo autor, ou expire após 12 meses sem atualização.

  • De acordo com o texto da política atual, é explicitamente declarado que um LIR não tem limites na quantidade de alocações adicionais que eles podem receber; se emitido individualmente, resultará em um aumento significativo de entradas na tabela de roteamento.
  • A proposta permite que AFRINIC emita IPv4 prefixos como faixas contíguas de limite de bits, limitando o número de prefixos quebrados anunciados.
  • Substitui CPM 5.4.4 por "5.4.4 Para qualquer solicitação de LIR ou Usuário Final IPv4 espaço de endereçamento durante a exaustão: não há limite explícito para o número de vezes que uma organização pode solicitar IPv4 espaço de endereço durante o período de exaustão. Para fins de conservação da tabela de roteamento, os prefixos serão emitidos como agregados quando um LIR solicitar várias alocações adicionais. ”

A equipe indicou (em seu relatório de avaliação da proposta) que a declaração do problema do autor não é aplicável, pois o texto proposto já é semelhante ao texto da Cláusula 5.5.1.4.3 do CPM.


Decisão dos copresidentes: sem consenso. A proposta retorna à lista de mala direta.

 


 

 

9. Processo de Desenvolvimento de Políticas AFRINIC BIS

A segunda versão da proposta de política “AFRINIC Policy Development Process bis” recebida em 09 de novembro de 2017 foi apresentada pelos co-autores Alain Aina, Arnaud Amelina e Komi Abel Elitcha. A proposta original (v1) foi postada em 28 de abril de 2017 (mas já havia discussões muito ativas realizadas na lista rpd desde 2016 sobre como melhorar o PDP atual). Os seguintes destaques e pontos de discussão foram observados:

  • A abordagem ao consenso e às decisões é baseada nas melhores práticas dos padrões da IETF e nos PDPs de outros RIRs.
  • A proposta introduz uma grande revisão ao procedimento de apelação.
  • O método de presidente + vice-presidente foi substituído novamente por 2 presidentes.
  • Novas disposições sobre como o Conselho adota políticas.
  • O documento foi dividido em dois, após preocupações (no AIS 2017 - Nairobi) de que era muito longo. Os autores trabalharão com a equipe para mesclar o conteúdo desses documentos a fim de garantir a consistência com o CPM.
  • O corpo técnico observou que a data de implementação deve estar vinculada à data de ratificação, não à data da última convocação.
  • A equipe também observou que quaisquer referências ao Art 11 do estatuto (ou qualquer outro artigo de um documento estrangeiro) devem ser removidas, de forma que quaisquer alterações em documentos externos não exijam alteração do CPM.

Outros comentários levantados foram os seguintes:

  • Os autores precisam esclarecer se o comitê de apelações nesta proposta anulará o existente caso a política seja aprovada. O Presidente do Conselho esclareceu que, em seu conhecimento, esse comitê não precisaria ser reconstituído.
  • O PDP precisa explorar e fornecer co-presidentes para participar e presidir reuniões remotamente.

Decisão dos copresidentes: sem consenso. A proposta retorna à lista de mala direta.

 


 

 

10. Microfone de política aberta

Os seguintes problemas foram discutidos durante o microfone de política aberta:

  • Relatório de experiência de implementação de políticas: foi apresentado por Madhvi Gokool e contém feedback aos membros sobre certas observações do departamento de RS durante a avaliação de solicitações de recursos - e principalmente aborda questões que podem ser tratadas por meio de políticas para orientar melhor os RS no tratamento de solicitações de recursos. Interpretações pouco claras sobre os requisitos de alocação para IPv4 e ASN os recursos foram compartilhados e a comunidade foi instada a orientar melhor a AFRINIC, melhorando as políticas atuais.
  • Observou-se que para reuniões futuras, as discussões devem começar com o Relatório de Implementação da Experiência da Política, para que todas as necessidades de modificação da política sejam discutidas primeiro.
  • Foi sugerido que os co-presidentes deveriam, no futuro, enumerar questões em aberto em todas as propostas enviadas de volta à lista, de forma que não haja necessidade de discutir questões já encerradas.
  • É necessário despertar o interesse de mais técnicos em participar do PDP.
  • Os autores da proposta do PDP-bis foram aconselhados a incluir uma cláusula que descarta as propostas em que os autores não estão presentes remotamente ou no local para defender suas propostas, pois isso mostra uma falta geral de interesse na proposta de seus autores.

 


 

11. Resumo da discussão

Proposta de política

Decisão

Lame Delegations no AFRINIC DNS reverso

AFPUB-2017-DNS-001-DRAFT02

Última Chamada

IPv4 Soft Landing BIS

AFPUB-2016-V4-001-DRAFT07

Última Chamada

Análise de recursos de números da Internet pela AFRINIC

AFPUB-2016-GEN-001-DRAFT-05

De volta à lista

Política de agregação de rota

AFPUB-2017-V4-002-DRAFT01

De volta à lista

Processo de Desenvolvimento de Políticas AFRINIC BIS

AFPUB-2017-GEN-002-DRAFT02

De volta à lista

Última modificação em -
Data e hora nas Maurícias -